O lixo que vale mais – Rédea Solta – Parte 4

junho 29, 2008

Giovanni Rocha

Texto anterior

Textos: Fábio Almeida e Giovanni Rocha

Fotos: Giovanni Rocha

Já nas ruas do Centro de Porto Alegre, o espaço na carroça começa a ficar escasso, devido ao material recolhido durante o trajeto. Do papel usado ao plástico do brinquedo quebrado, tudo que a cidade elimina é aproveitado por Teófilo. A Prefeitura da capital dos gaúchos estima que das 200 toneladas de lixo geradas diariamente pela população de Porto Alegre, somente um terço é recolhido pelo Departamento Municipal de Limpeza Urbana, o DMLU.

Teófilo sabe que não pode carregar muito durante o trajeto. Assim como muitos de seus colegas, ele também tem lugar determinado para recolher o lixo que o interessa. É necessário administrar o espaço para o lixo nobre que ele recolherá em uma loja.

“Nós queremos papel branco, garrafa pet e latas de alumínio, é o material que vale mais”, diz. A renda de um carroceiro é variada, alguns recebem R$ 400 e outros ganham até R$ 1 mil com a venda do lixo para empresas de reciclagem. Um trabalho que envolve toda a família. São necessárias várias pessoas para separar nos galpões de reciclagem o lixo recolhido nas ruas. O contato da esposa e dos filhos com esse trabalho pesado preocupa o carroceiro.

* Reportagem publicada na revista Primeira Impressão, produzida por alunos da disciplina de Projeto Experimental em Revista, do curso de jornalismo da Unisinos (RS). Junho de 2008.

Próximo texto

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: