“Tira essa m…. dae maloquero!” – Rédea Solta – Parte 2

junho 29, 2008

Giovanni Rocha
Texto anterior

Textos: Fábio Almeida e Giovanni Rocha

Fotos: Giovanni Rocha

Em Porto Alegre circulam cerca de oito mil carroças, três mil delas vem de cidades vizinhas, mas que buscam trabalho na capital. Essa frota é a mais numerosa em uma região metropolitana no País. Não há registro de situação parecida em outro local no Brasil. O número é maior do que toda a frota de ônibus, táxis e lotação do município, de pouco mais de seis mil veículos. Não é difícil perceber que o encontro dos carroceiros com os motoristas, no trânsito tumultuado da cidade, geralmente não é harmonioso entre os condutores.

Para o Teófilo, a dor de cabeça é constate. As discussões são freqüentes, com ofensas de ambos os lados. “Esses ônibus nos apertam! Eles gritam, tira essa m…. daí! Maloqueiro! Eu não dou bola. Isso aqui é o meu instrumento de trabalho”, retruca indignado. O carroceiro continua e diz que ninguém respeita ninguém. “Por mais que a gente tente evitar atrapalhar, sempre acaba sendo discriminado. Às vezes a gente ouve mais do que deve. Não precisava xingar tanto”.

O próprio trânsito foi o responsável por colocá-lo na atual atividade, a carroça. O carroceiro já foi motorista de ônibus e realizava viagens pelo Brasil. Há dez anos a rotina mudou. Enquanto fazia um dos seus trajetos diários sofreu um grave acidente. Com a tragédia, passou a sofrer com problemas no sistema nervoso ficando impossibilitado de dirigir. Ele encontrou na carroça o meio para unir suas duas paixões, a estrada e o cavalo. Mas o perigo do trânsito ainda preocupa Teófilo. Os eventuais ataques epiléticos, com desmaios e outras reações involuntárias, já quase o mataram. “Estava sozinho, guiando a carroça, quando sofri uma convulsão. Por pouco não fui esmagado por um ônibus” mostra Teófilo, ao fazer gestos com as mãos tentando explicar como foi acidente.

* Reportagem publicada na revista Primeira Impressão, produzida por alunos da disciplina de Projeto Experimental em Revista, do curso de jornalismo da Unisinos (RS). Junho de 2008.

Próximo texto

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: