A saga de Lampião pela imprensa

julho 25, 2008

Por Giovanni Rocha

A saga de Virgulino Ferreira, o temido Lampião, foi motivo de estudo da francesa Elise Grunspan-Jasmin. Ela apresenta como a imprensa, em especial os fotógrafos andarilhos do sertão nordestino, retratou e idealizou um dos principais “heróis” do folclore nacional. A história de Lampião e seu bando foi escrita na base do sangue e da pólvora, porém é inegável que o trabalho do fotojornalismo nesse cenário merecesse trabalhos de pesquisas como o de Elise.

Todas as informações abaixo foram publicadas no website do jornal O Povo do Ceará no dia 24 de julho.

O espelho de Lampião

Pedro Rocha
da Redação

A pesquisadora francesa Elise Grunspan-Jasmin analisa em entrevista ao O POVO a construção da imagem de Lampião através das fotografias publicadas na imprensa da época

O vulto de Lampião fazia rebuliço quando notícias anunciavam sua aproximação. Assim foi por mais de 20 anos, num enfrentamento aberto contra o poder de repressão estatal. Um enfrentamento que ganhou dimensões espetaculares na imprensa, principalmente através da publicação de fotografias. De um lado dessa disputa estavam cangaceiros e o próprio Lampião, que pousavam imponentes nas imagens ao mesmo tempo em que a captura do bando, pelas forças policiais, parecia impossível. Doutro, registros das volantes, de acordos governamentais e cangaceiros mortos.

A autora do livro Lampião – Senhor do Sertão (Edusp), a francesa Elise Grunspan-Jasmin, analisou as cerca de 200 fotografias relativas ao cangaço, reunidas em diferentes arquivos públicos e coleções privadas do Nordeste brasileiro, e escreve na entrevista abaixo por e-mail sobre a ascensão e queda do homem que já morreu mito.

O POVO – Que momento marca a entrada de Lampião na imprensa?
Elise Gruspan-Jasmin – Sua incorporação aos Batalhões Patrióticos, em 1926, marca o início de sua vida pública, sua ruptura definitiva com a sociedade do sertão, à qual não se reintegrará nunca mais, e, principalmente, a sedução de um enfrentamento com o Brasil inteiro por intermédio da imprensa. Foi, a partir de então, que instaurou-se um diálogo entre Lampião e interlocutores que ora eram seus admiradores, ora seus inimigos. A imprensa e a fotografia veiculam essa imagem de Lampião, o que, para a época, é extremamente inovador. O ano de 1926 registra uma virada na vida de Lampião. A incorporação de Lampião aos Batalhões Patrióticos devia, na verdade, ser seguida de uma anistia e da obtenção oficial da patente de capitão. Sabemos que não foi nada disso. As promessas não foram mantidas: ao sair de Juazeiro, Lampião continuava a ser um criminoso perseguido pelas forças policiais, e sua patente de capitão não tinha estritamente nenhum valor. Acho que foi depois do episódio de Juazeiro que Lampião tomou consciência da influência dos jornais sobre a construção da sua imagem, mas renunciou à relação direta com a imprensa. É a partir dessa traição que se constrói e se elabora a última imagem do cangaceiro Lampião, a de um homem que, descobrindo que não voltará a pertencer à sociedade do sertão, vai, doravante, enfrentá-la e desafiar o Brasil inteiro.

OP – Como esse momento se diferencia das fotos feitas dez anos depois por Benjamin Abrahão?
Elise – Em 1936, ele é o “Rei do Cangaço”, se deixa ver, se exibe no seu universo familiar. Ele não tem mais, desde muito tempo, a esperança de reintegrar à sociedade. As fotografias de Benjamin Abrahão testemunham da organização de uma vida com suas próprias leis, códigos, costumes. Lampião é, ao mesmo tempo, chefe de grupo e chefe de família e deixa parecer sobre as fotografias todos os momentos de uma vida que ele encenou. Nas fotografias feitas por Benjamin Abrahão, Lampião vai diferenciar-se: tomará distância em relação aos códigos tradicionais em vigor até então no cangaço, cuidando de sua aparência e organizando uma verdadeira cenografia entorno de sua pessoa e de sua atividade. Ele passa a cuidar dos detalhes de seu vestuário: imensos chapéus decorados com medalhas, correias recobertas com peças de ouro, fruto de suas pilhagens, alforjes bordados com cores soberbas, punhais imensos incrustados de pedras etc. Agora ele é reconhecível entre todos.

OP – Lampião tinha um senso estratégico e consciente do uso de sua imagem?
Elise – É uma questão muito delicada. Analizando a iconografia do cangaço, a gente não pode escapar a tentação de pensar que Lampião, de uma certa forma, instrumentalizou a fotografia para construir sua lenda e, até mais, fez da fotografia um dos elementos da sua manipulação das mídias. Eu, pessoalmente, acho que Lampião, certamente, sem instrumentalizá-la ou manipulá-la, entendeu o impacto que a fotografia podia ter na construção da sua personagem e na interação que ele podia ter com os seus adversários.

OP – Houve uma reação deliberada dos adversários? As fotos se diferenciam em que dos retratos de cangaceiros?
Elise – Na leitura dos jornais do litoral do Nordeste, assim como os do sul do País, fica evidente que a fotografia teve um papel considerável na demonstração de poder de cada um dos campos. Algumas fotografias representam as autoridades governamentais e policiais dos diferentes estados do Nordeste em reuniões estratégicas, conferências de imprensa ou jantares oficiais organizados nas diferentes capitais do Nordeste. A repressão do cangaço já não é mais unicamente um problema das volantes em ação no sertão. Essas imagens registradas na imprensa reforçam a idéia de uma participação ativa das personalidades políticas das grandes cidades do litoral na elaboração de planos de combate contra o cangaço. Visam contrabalançar a infinidade de artigos criticando o pouco envolvimento dos políticos das grandes cidades do litoral frente ao drama que sofria o sertão. Paralelamente às imagens de reuniões oficiais, aparecem nos jornais, a partir de 1935, fotografias que mostram oficiais ou soldados das forças volantes em campanha contra o cangaço no sertão. Os oficiais e soldados das volantes – particularmente os da força de Nazaré, inimigos irredutíveis de Lampião – são quase sempre retratados em uniforme de campanha. Seu traje, embora não seja ricamente enfeitado, assemelha-se, em diversos aspectos, ao dos cangaceiros, permitindo identificar a região de onde provêm os personagens e os códigos de identificação das roupas dos combatentes. Esse tipo de fotografia foi privilegiado na imprensa da época até a morte de Lampião, por reposicionar a relação de forças entre Lampião e seus adversários em um contexto regional claramente determinado.

OP – Nessa disputa, o que representa a famosa foto das cabeças decapitadas em Angicos?
Elise – Foi nessa ocasião que a encenação e a iconografia macabra do cangaço teve seu auge. Em uma espécie de resposta à alegação de poder e invulnerabilidade do célebre cangaceiro, decapitaram-no e exibiram sua cabeça e a de seus companheiros como troféus, a fim de mostrar aos olhos do mundo que esse corpo fechado, impermeável às balas e às facas, podia ser fragmentado. Essa fotografia, exibindo numa encenação elaborada, cadáveres profanados e mutilados, coloca o público diante de uma violência que desperta a sensação de ausência de limites. Tudo parece ser permitido, em uma espécie de derrapagem descontrolada. A imagem aqui é destituída de seu poder de sacralização do sujeito, e não passa de um objeto difamador, que sugere exclusão, uma despossessão post-mortem.

OP – Quais as interpretações que podemos fazer a partir dessa “encenação elaborada” a qual você se referiu?
Elise – A fotografia das 11 cabeças cortadas revela uma composição bastante elaborada. As cabeças dos 11 cangaceiros mortos em Angicos pela volante de João Bezerra foram dispostas sobre um lençol branco, estendido sobre os degraus da igreja de Santana do Ipanema. Em torno dessas cabeças estão distribuídas, em cuidadosa simetria, armas, cartucheiras, bornais e chapéus dos cangaceiros, além de duas máquinas de costura. A disposição das cabeças não é aleatória: a de Lampião foi isolada das demais, e aparece em primeiro plano, na base da composição, como para dizer que Lampião – o chefe, o instigador, o arquiteto, o rei do cangaço – agora estava reduzido ao comando de um grupo de cabeças decepadas. Em segundo plano, logo acima da cabeça de Lampião, encontra-se a de Maria Bonita, entre as de Quinta-Feira e Luís Pedro. As cabeças dos outros cangaceiros foram colocadas mais acima: são as de Mergulhão, Elétrico e Caixa de Fósforo. No topo estão as cabeças de Adília, Cajarana, um desconhecido e Diferente. Todas estão etiquetadas e exibem o nome de cada cangaceiro. Os símbolos da riqueza e da força guerreira dos cangaceiros estão presentes, compondo o fundo de uma natureza-morta macabra. Esses detalhes – bordados, ornamentos, peças de ouro – sugerindo brilho, luminosidade que se perdeu para sempre, contrastam violentamente com as cabeças cortadas, remetendo o observador, inapelavelmente, ao ato de decapitação e à profanação dos cadáveres.

Conheça o site do jornal no endereço www.opovo.com.br

7 Respostas to “A saga de Lampião pela imprensa”

  1. Anny said

    Gostei de ver essa foto é estremamente essustadora!!!

    Aff

    Anny

  2. Claudio said

    O assunto relacionado ao Cangaço é extremamente fascinante, continuem nos mostrando esta verdadadeira obra prima.

  3. Paulo Sérgio said

    Sou nordestino e tenho muito orgulho do meu povo e Lampião é um mito que ficou na história.

  4. Petrucio Gregorio said

    Lampião foi morto pela policia de Alagoas, mas pouco se fala no heroi que conseguiu tal façanha de matar o rei do cangaço. Tenete João Bezerra merecia ser lembrado pela história como o homem que deu inicio ao fim do cangaço no Nordeste.

  5. Renon said

    O Tenente João Bezerra não merece ser lembrado coisa nenhuma! Lampião sim pois ele ajudava as pessoas pobres e matava as pessoas que queriam ser o dono do mundo. Valeu Lampião! Você esta na memória de muitos… Te admiro!

  6. Suzana said

    Olá, pessoas!

    Quando falam em Lampião ajudando pessoas penso naqueles traficantes que “ajudam” àquelas comunidades com o fim de serem acobertados por um escudo (des)humano. Pessoas amendrontadas, sitiadas e forçadas a calarem-se diante das atrocidades a que presenciam.
    O meu avô vivenciou essas passagens de Lampião e seu bando na sua cidade, no sertão da Bahia. E pelo que contava, espalhava muito terror. Cenas de estupros, assassinatos, inclusive de crianças, que escondiam-se debaixo das camas e chegavam a urinar nas calças tamanho era o pavor.
    Mas vilões também fazem parte da nossa história.

  7. marina said

    lampião um olho só o outro levou um tiro ficou só com um olho alén dele ser horrivél a maria bonita não poderia se apaixonar pelo um homem tão feeeeeeeeio ele é ridiculo nem sabe se vestir veste tudo que esta fora de moda cheio de medalha eu tenho ciumes dele porque eu so pobre e não tenho ouro igual ele,ele é podre nem toma banho direito nem se esfregava com a buxa e sabonete e prinçipalmente com água…ass marina maria julia e taina ele éraa vaqueiro credo da nojo ver tirar o leite da vaca é horrivél…thau agradeçemos ai nega que fedoooo

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: